Como “hackear seu cérebro” e usar a ciência para maximizar a produtividade

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email

Quando imaginamos formas de maximizar a produtividade, a maioria de nós pensa em “fazer mais em menos tempo”, mantendo malabarismos para equilibrar a vida pessoal com todas as demandas da vida profissional. 

No entanto, já sabemos que diversos estudos mostram que a multitarefa e o trabalho constante na verdade prejudicam a produtividade e a qualidade do trabalho, em vez de aumentá-las.

A quantidade de tempo que passamos trabalhando não apenas nos deixa exaustos, mas na verdade é prejudicial à nossa capacidade de manter o foco.

Adicionar a prática da multitarefa nessas longas horas da jornada de trabalho virou uma receita para o desastre. Embora alguns de nós possam ser forçados a gerenciar grandes cargas de trabalho, há algumas maneiras (apoiadas pela ciência) de fazer aqueles dias mais agitados valerem a pena.

“Quebrando” a produtividade em pedaços menores

Um estudo foi realizado pelo Grupo Draugiem para determinar os hábitos de diferenciação entre os funcionários mais e menos produtivos. 

A pesquisa indicou que os funcionários mais produtivos não trabalhavam durante mais horas do que seus colegas. Em vez disso, todos tinham pausas durante o dia de trabalho.

Aqueles trabalhadores mais bem-sucedidos trabalhavam por 52 minutos seguidos, sem interrupções. Depois, faziam uma pausa de 17 minutos, quando se desconectavam completamente do trabalho.

Isso permitia que o cérebro se reenergizasse e se prepare para o próximo bloco de tempo repleto de trabalho.

Os resultados se mostraram ainda mais interessantes quando os funcionários literalmente se afastavam de seus computadores para fazer uma caminhada, conversar com colegas sobre assuntos não relacionados ao trabalho ou ler um livro.

Trabalhar por períodos pré-definidos de foco e depois fazer intervalos não é um método de produtividade novo. A técnica pomodoro (uma variação do método que intercala momentos de foco de 25 minutos com rápidas pausas) existe desde 1980. A eficácia desse tipo de método é justificada pelo célebre psicólogo Daniel Goleman

“O melhor desempenho requer foco total, e manter a atenção concentrada consome energia – mais tecnicamente, seu cérebro esgota seu combustível, a glicose. Sem descanso, nossos cérebros ficam mais esgotados.” 

Daniel Goleman

Programando pausas com intenção

A criação de tarefas reais e pausas em seu app Setta (ou outro planner) permite que você tenha certeza de quando o seu tempo está livre, e também o lembrará de voltar ao trabalho quando a notificação da atividade que deve ser feita aparecer em sua tela. 

Se possível, tente fazer isso a cada 52 minutos. Definir um timer para se lembrar de voltar ao trabalho após 17 minutos também é importante!

Maximizando a produtividade dos 52 minutos

Seu cérebro consciente não consegue fazer tudo de uma vez. Então, como reduzir o multitasking diante de tantas atividades para realizar em um dia?

Para começar, feche suas abas extras do seu navegador enquanto estiver trabalhando online. Dessa forma, você não tem escolha a não ser priorizar a tarefa na qual está trabalhando no momento, e não sente o desejo de clicar nas outras guias (provavelmente desnecessárias) abertas.

Outra dica é executar suas tarefas mais difíceis no início da manhã, e imediatamente após um de seus intervalos de 17 minutos. Permitir que você passe para as tarefas menores e menos cansativas depois serve como uma forma de motivação para o cérebro.

O primeiro passo para maximizar a produtividade é entender que sua atenção é finita. Por isso, garanta que todos os alvos do seu foco valham a pena.

“Procrastinando” de forma produtiva

Você pode se deixar levar pelas distrações ou simplesmente sentir que perdeu a capacidade de se concentrar vez ou outra, principalmente no início dessa prática, quando estiver tentando transformar este método de produtividade em um hábito.

Quando você perceber seu foco diminuindo e não conseguir recuperá-lo, deixe o que estiver fazendo de lado por alguns minutos para fazer algo no seu “modo automático”, como lavar pratos, observar pessoas, caminhar ou limpar a casa. 

Acredite, esta é uma maneira de recarregar sua atenção. Quando seu foco tiver sido reposto, volte para sua tarefa com a cabeça renovada.

Embora o piloto automático possa nos ajudar a manter o ritmo de trabalho e de vida, a atenção é o nosso recurso mais limitado e restrito. Quanto mais intenção tivermos ao administrar nossa atenção, mais foco, produtividade e criatividade é possível ter.

Agora que você sabe como maximizar a produtividade, não pense que seu aprendizado acabou por aqui. Leia mais um post do nosso blog e saiba como manter o foco trabalhando em regime de home office.

SEGUNDA COM A SETTA

Comece sua semana recebendo nossa newsletter com os melhores hábitos e dicas sobre organização, produtividade e bem-estar.


Outros posts