Ansiedade e Home Office: como cuidar da saúde mental trabalhando de casa

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email

O mundo está, há um ano, experimentando uma das épocas mais esquisitas dos últimos tempos. A pandemia que o coronavírus causou tem modificado o planeta, não só pela sua fatalidade em si, mas também pela forma com que a sociedade tem reagido a ela.

Se a tecnologia da década já possibilitava o home-office, a pandemia nos empurrou de vez para a obrigatoriedade dessa forma de trabalhar. Ainda hoje, após muitos meses da chegada do vírus, diversas empresas seguem optando pelo trabalho remoto, algumas de forma permanente.

Trabalhar de forma remota até tem suas vantagens: a distância entre o escritório e sua casa não é mais importante, há mais contato com a família e mais segurança, ao reduzir o risco de contaminação. Porém, não há mais uma delimitação nítida entre a vida pessoal e profissional, já que ambos os ambientes se misturam.  

Uma pesquisa feita pelo Centro de Inovação da FGV-SP apontou que mais da metade dos brasileiros que adotaram o regime de home-office relataram sentir dificuldades para equilibrar as demandas pessoais e profissionais. Esse problema chegou a ser grave ou moderado para até 82% dos profissionais com 25 anos ou menos.

O resultado é uma combinação de horas extras, estresse e ansiedade. De acordo com um levantamento feito pela Oracle e Workplace Intelligence, 70% dos brasileiros ouvidos relataram que 2020 foi o ano mais estressante de suas vidas. Entre eles, 42% disseram que estão trabalhando ao menos 40 horas a mais por mês.

Por que trabalhar em casa é tão exaustivo?

Separar a vida pessoal da vida profissional nunca foi tão difícil: 87% dos brasileiros definem o home office como responsável pela dificuldade em equilibrar a vida pessoal com a profissional, enquanto 40% dizem não conseguir, de forma alguma, separar uma coisa da outra.

Certamente, trabalhar em casa não era tão complicado até certo ponto, é claro, antes da pandemia.

Sempre tivemos interrupções durante o dia, mas não com a mesma intensidade que temos agora. Uma quarentena força toda a família a ficar em casa, então suas chances de interrupções e distrações podem ser multiplicadas.

Além disso, estar conectado o tempo todo pode aumentar a sua demanda de trabalho, e também sua ansiedade. Você certamente pensaria diferente sobre as videoconferências no passado, porque a pandemia abriu caminho para situações e ferramentas de contato inesperadas. Tudo isso da noite para o dia.

Não houve um período de adaptação ou transição que facilitasse o isolamento social. A partir de março de 2020, milhões de trabalhadores precisaram adotar o home-office imediatamente e repentinamente, o que também é um gatilho para a ansiedade e a exaustão.

Não é à toa que, em uma pesquisa realizada pela startup de tecnologia em recursos humanos Pulses e divulgada pelo Estadão, 54% dos entrevistados relataram níveis médios ou altos de ansiedade. O excesso de trabalho foi apontado como um dos principais problemas.

Como enfrentar o problema?

Enquanto navegamos nesta transação turbulenta rumo ao “novo normal”, algumas atitudes simples podem ajudar a desacelerar a mente e nos tornar mais capazes de lidar com o estresse que esta nova fase na história está providenciando.

Aceite a anormalidade do “novo normal”

Estamos vivendo em tempos estranhos, com protocolos em constante evolução. Normalmente, quando as pessoas dizem que fazem home-office, isso significa que trabalham em cafés, espaços de coworking ou no próprio sofá de casa. Quando elas sentem que a solidão que acompanha o trabalho remoto emerge, podem encontrar seus colegas ou entes queridos. No entanto, essas não são opções em nossos dias. 

Com novas variáveis ​introduzidas em nossos dias de trabalho, é irracional esperar níveis normais de produtividade. Quando sua família e seu trabalho estão pedindo sua atenção total, podemos ficar exaustos, sem foco e irritados.

Em vez de tentar agradar a todos e fazer tudo, tente aceitar suas limitações. Ao fazer isso, você pode trabalhar com o que tem, em vez de focar no que gostaria de ter. Na maioria das vezes, isso diminuirá os níveis de estresse e aumentará a produtividade.

Estabeleça limites

Ao trabalhar em casa, é essencial estabelecer limites bem definidos, já que o ambiente em que está fornece um impacto considerável sobre seus níveis de estresse e capacidade de concentração. 

Tente encontrar um espaço tranquilo, designado para ser seu escritório em casa. Depois de escolhido, evite usar o espaço de trabalho fora do horário de expediente. Ao fazer isso, você cria alguma distância ambiental entre seu “modo profissional” e seu tempo livre.

Além disso, comunique abertamente a sua família ou roomates quando você estará disponível para eles, e quando estará trabalhando.

Pode levar algum tempo para que eles se ajustem ao seu “eu profissional”. Criar uma programação com sua família que descreva quando você está “em casa” e quando está “no trabalho”, para diminuir o atrito.

Mantenha uma rotina

Uma rotina estrutura sua experiência diária e te ajuda a se sentir no controle.

Apesar de estar em regime de home-office, tente acordar sempre em um horário fixo e trocar de roupa antes de trabalhar (como se estivesse trabalhando no regime presencial).

Se você exerce uma função de liderança, crie uma agenda virtual para todos os seus funcionários seguirem. Ao fazer isso, inserimos familiaridade nos momentos desconhecidos, o que pode aumentar o conforto e a produtividade.

Embora possamos passar de 8 a 10 horas por dia em um escritório, alguns estudos sugerem que somos produtivos apenas por cerca de 3 a 4 horas. Passamos o resto do tempo conversando com colegas de trabalho e fazendo pausas. 

Embora essas estatísticas sejam surpreendentes (e certamente não reflitam a vida de muitos empreendedores), a lição é lembrar que é impossível estar em um estado de produtividade máxima por 8 a 10 horas completas todos os dias.

Para evitar o esgotamento, certifique-se de incorporar pausas em sua rotina dentro de casa.

Para quem trabalhou e morou no mesmo lugar em 2020, a pandemia mostrou o quão importante é ter paciência. Reorganizar o tempo, renovar a rotina e estipular limites entre as demandas é essencial para que a ansiedade não tome conta da sua nova forma de viver.

Agora que você já sabe como evitar a ansiedade no home-office, não se descuide e atente-se para mais vilões da saúde mental, como a Síndrome de Burnout. Leia nosso post para saber mais sobre esta doença e como evitá-la.

SEGUNDA COM A SETTA

Comece sua semana recebendo nossa newsletter com os melhores hábitos e dicas sobre organização, produtividade e bem-estar.


Outros posts